segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Série de avaliações: Brasileiro duvida da eficácia da lei de crimes cibernéticos

Por Luís Osvaldo Grossmann, do Convergência Digital

Um terço da nova edição da pesquisa da Fecomércio-SP sobre os hábitos dos internautas, 11 entre as 33 perguntas envolvem de alguma forma “crimes virtuais”, problema que atingiu direta ou indiretamente 17,9% dos entrevistados – mas 79,8% das vítimas sustenta continuar utilizando a Internet normalmente.

Embora 55,9% dos pesquisados afirme fazer compras pela rede, os 44,1% que evitam mencionam temer especialmente os crimes eletrônicos – 32,9% debitam ao ‘medo de fraudes’ o fator que os impede de comprar pela Internet, enquanto outros 16,7% apontam para a ‘falta de segurança no site’.

Destaque-se que depois da ‘clonagem de cartão de crédito/débito’, com 33,5% desses problemas, é justamente o ‘uso de dos pessoais’ que aparece como crime mais citado, 17,3%. Como indica o levantamento da Fecomércio-SP, os dados pessoais se tornaram tema de preocupação dos usuários da Internet.

Além disso, um grande percentual – 86,4% dos entrevistados – afirma temer fraudes ou ataques de hackers em seus dispositivos pessoais de conexão, seja computador, tablet ou celular. No entanto, é menor a proporção, 65,4%, dos que declaram utilizar alguma ferramenta que evite a captação de senhas ou invasões.

Também é muito significativa a percentagem de respostas favoráveis a que os sites guardem os registros de acesso para auxiliar eventuais investigações de crimes eletrônicos. Dos entrevistados, 87,8% defenderam essa ‘guarda de logs’ – medida que por sinal já é prevista em regra da Anatel.

Ainda no campo dos crimes cometidos com o uso da Internet, dois em cada três entrevistados afirmou conhecer a nova lei contra ‘crimes virtuais’, mais conhecida como Lei Carolina Dieckmann, que criminalizou a ‘invasão de dispositivo’. No entanto, 83,6% duvidam da eficácia da legislação.

Fonte: Convergência Digital, neste link.

0 comentários:

Postar um comentário